Venda de cimento no Brasil deve fechar em queda este ano, setor espera reação em 2019

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail

SÃO PAULO (Reuters) – A venda de cimento no Brasil em setembro voltou a cair e o setor espera amargar em 2018 o quarto ano consecutivo de retração, embora espere um início de retomada em 2019, em uma expectativa mais apoiada na esperança de fim de incertezas políticas que têm paralisado o país.

A comercialização de cimento no Brasil caiu 5,6% em setembro, para 4,564 milhões de toneladas, acumulando retração de 2,2% em 2018, ante mesma etapa de 2017, informou nesta quarta-feira o SNIC (Sindicato Nacional da Indústria do Cimento).

Com o resultado, a entidade espera que as vendas em todo o ano de 2018 caiam cerca de 2%, acumulando uma retração em quatro anos de 26%.

“Nossa projeção no começo do ano era de crescermos a venda em cerca de 2% em 2018, mas deixamos de entregar cerca de 900 mil toneladas durante a greve dos caminhoneiros e o restante da queda atribuímos ao quadro de lentidão da economia”, disse o presidente do SNIC, Paulo Camillo Penna.

Segundo ele, a expectativa para 2019 é de crescimento das vendas de 3% a 3,5%. “Na posse de presidente da República sempre se reativa otimismo no país. Os dois candidatos, Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL), consideram a reativação da indústria da construção como primeira ação para a retomada da atividade econômica”, disse Penna.

O setor tem uma capacidade de produção de cerca de 100 milhões de toneladas por ano, mas está utilizando 52% desta capacidade, segundo os dados do SNIC. Penna comentou que em setembro 20 fábricas de cimento no país estavam paradas e boa parte do restante das 100 unidades produtivas operou a meia carga.

Na avaliação do presidente do SNIC, a prioridade do próximo governo deve ser trabalhar para retomar a confiança de consumidores e de investidores privados em um momento em que o quadro fiscal do país não permite desembolsos maciços em infraestrutura e expansão de programas sociais.

“Precisa aumentar a confiança do empresariado. No melhor momento da economia, no início deste ano, todos os indicadores da economia estavam positivos, com exceção da confiança do empresário e do consumidor”, disse Penna.

Em setembro, as vendas de cimento caíram em todas as regiões do país na comparação anual, com destaques para retrações de 13,4% da região Sul e de 5,9% no Nordeste. O Sudeste teve queda de 4,1%, a venda no Norte caiu 3,2% e o Centro-Oeste registrou declínio de 0,8% no volume vendido, segundo o SNIC.

(Por Alberto Alerigi Jr.)