Construir é oferecer conforto, estética, tecnologia e durabilidade

04/09/2019
Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail

Solução está em industrializar o canteiro e estimular a integração entre arquitetura e engenharia na obra

O consumidor está cada vez mais informado sobre a moradia que pretende comprar. Consequentemente, mais exigente. O que ele busca no imóvel é que as construtoras atendam a quatro requisitos: conforto térmico e acústico, estética na arquitetura, emprego de tecnologias que melhorem a forma de construir e a durabilidade da edificação. Para cumprir com essas exigências sem comprometer o custo, a solução está em industrializar o canteiro e estimular a integração entre arquitetura e engenharia na obra. É o que observa a engenheira civil Glécia Vieira, coordenadora de projetos na Regional Norte/Nordeste da ABCP, em palestra na Concrete Show 2019.

Em sua análise, o consumidor está muito mais bem informado do que se possa imaginar sobre a Norma de Desempenho (ABNT NBR 15575) e tecnologias construtivas. Isso, destaca a engenheira civil, deve fazer parte da percepção das construtoras. Para Glécia Vieira, as empresas, enfim, estão voltando a se conectar com o usuário. “Antes do boom imobiliário no Brasil, o projeto tinha grande peso, mas não havia muita preocupação com o sistema construtivo que seria empregado, desde que ele atendesse ao projeto. Durante o boom imobiliário (2009 a 2013), sistemas que tivessem produtividade e economia dominaram. Foi neste período, por exemplo, que a tecnologia de paredes de concreto cresceu. No pós-boom imobiliário, desempenho, qualidade e projeto estão em destaque, o que é bom para o mercado e para o consumidor”, diz.

Glécia Vieira relata que o elo entre arquitetura e engenharia foi restabelecido quando as construtoras passaram a usar programas de racionalização da obra. “Racionalizar é adotar boas práticas que aliem diminuição do emprego da mão de obra com o aumento da produtividade. Ela também está relacionada com reduzir custo e tempo da obra. É aqui que se dá o elo da integração entre engenharia e arquitetura. Isso também obriga a trazer a cadeia de suprimentos para dentro do projeto, pois a especificação de produtos é que vai garantir qualidade. A solução é compatibilizar o projeto com as várias áreas envolvidas na obra. Isso leva a um produto melhor”, assegura.

Para a engenheira, as tecnologias do concreto são importantes nesse novo modelo de pensar a obra. “No novo desenho, a arquitetura entende os apelos do usuário, especifica e faz o projeto. Já a engenharia vai buscar boas práticas de produção para reduzir prazo e custo”, explica. Neste cenário, a engenheira civil entende que sistemas como o de paredes de concreto ainda são muito competitivos. “As paredes de concreto permitem aumentar sensivelmente a produtividade, com tecnologia e durabilidade. Agregadas a outras técnicas, possibilitam também atingir conforto e estética”, completa.

Fonte: Massa Cinzenta / Cia de Cimento Itambé

Texto baseado na palestra “Integração: Arquitetura, Concreto e Engenharia”, da engenheira Glécia Vieira, coordenadora de projetos na Regional Norte/Nordeste da ABCP, durante a Concrete Show 2019.

Acesse a palestra na seção Download do Portal ABCP.