Marisete Fátima Dadald, Secretária Executiva/MME; Bento Albuquerque, Ministro de Estado de Minas e Energia; e Alexandre Vidigal, Secretário da Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do MME (Foto: Saulo Cruz/MME)

ABCP / SNIC encontram-se com ministro Bento Albuquerque (MME)

29/01/2019
Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail

Na tarde do último dia 24 de janeiro, em Brasília, ABCP / SNIC estiveram reunidos com o ministro de Minas e Energia (MME), Bento Albuquerque, com o objetivo de apresentar o papel das entidades no tocante à pasta e, principalmente, estreitar as relações com o novo ministro e seu secretariado, composto pela secretária executiva Marisete Dadald, seu adjunto, Bruno Marques, e pelo secretário de Geologia e Transformação Mineral (SGTM), Alexandre Vidigal, todos acompanhando o ministro.

Além da ABCP e do SNIC, representados pelo presidente Paulo Camillo Penna, o encontro contou com a presença de outras entidades do setor mineral. Foi uma oportunidade altamente proveitosa, simples e direta, em que Bento Albuquerque pode discorrer sobre sua indicação para o ministério, as circunstâncias do convite, suas aspirações e métodos para o cumprimento dos objetivos de sua administração, que ele pretende alcançar “construindo um diálogo entre o Governo, empresariado e a sociedade de forma responsável, pragmática, harmoniosa e transparente”.

O ministro reconheceu que o setor mineral talvez seja o que mais demande sua atenção, pelo fato de a Agência Nacional de Mineração (ANM) ter sido tardiamente estruturada e dever enfrentar dificuldades pela própria situação do governo federal, contenção de custos, déficit, entre outras questões relevantes (vale lembrar que o encontro ocorreu antes do desastre de Brumadinho-MG, no dia 25/01). Entretanto, o ministro destacou que está muito motivado pelo bom ambiente entre todos os ministros de estado, uma novidade em tantos anos de vida pública, e que não poupará esforços para auxiliar o setor.

“Tivemos a oportunidade de apresentar o setor de cimento do Brasil e traçar um quadro do momento atual de crise aguda que enfrenta, o que de modo algum reduziu o protagonismo benéfico que a indústria sempre apresentou, pela busca de sua eficientização produtiva no que se refere ao emprego dos combustíveis alternativos na fabricação do insumo, preservando e otimizando os jazimentos minerais, bem como reduzindo o uso de combustíveis fósseis não renováveis”, disse o presidente Paulo Camillo. Segundo ele, o mesmo destaque foi dado à importância da implementação de políticas públicas que alavanquem o desenvolvimento do país, pelo emprego de soluções construtivas duráveis, como a pavimentação rodoviária e urbana com concreto, assim como o auxílio direto às administrações estaduais e municipais na resolução de temas como habitação, saneamento, mobilidade urbana, entre outros. “Ao finalizarmos o encontro, enaltecemos a integração e o relacionamento com a Agência e as secretarias setoriais”, concluiu.

Bento Albuquerque espera, na sua gestão, que o empresário mineral resgate a autoestima e disse que ficou muito tranquilo depois de ouvir outras entidades presentes, pois há clara convergência dos agentes privados e o MME, espelhados nos itens abaixo anunciados pelo ministro Bento Albuquerque:

  1. Criar condições ao investimento mineral, por meio do respeito das competências: estabilidade e segurança jurídica, previsibilidade e diálogo;
  2. Inclusão do setor mineral na Secretaria de Planejamento Estratégico do MME;
  3. Aumento da atratividade do setor, com apoio à ANM, redução da burocracia, investimentos no conhecimento geológico e formatação de estruturas para dar segurança aos investimentos, ajudando a colocar as 20 mil áreas em disponibilidade para o setor.

O ministro concluiu o encontro citando a frase: “Exploração mineral e conservação da biodiversidade são compatíveis”.

Fotos: Saulo Cruz/MME
Ministério de Minas e Energia

  • Paulo Camillo Penna, presidente da ABCP e do SNIC (Foto: Saulo Cruz/MME)