ABCP promove Cidades Cicláveis na Bienal de Arquitetura

22/12/2011
Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail

Como parte das atividades da Nonabia – 9ª Bienal Internacional de Arquitetura, promovida pelo IAB-SP, Instituto de Arquitetos do Brasil, Departamento de São Paulo, na Oca do Ibirapuera em São Paulo/SP, realizou-se nos dias 1 e 2 de dezembro o Seminário e Oficina “Cidades Cicláveis”, organizado pelo projeto Soluções para Cidades, da ABCP, que  reuniu profissionais e iniciativas ligadas ao tema mobilidade urbana sobre duas rodas.

Diante da necessidade de melhorar a mobilidade – não só de grandes centros, mas de pequenas cidades –, a ABCP tem promovido ações para fomentar a utilização e construção de ciclovias que empregam produtos e soluções à base de cimento, principalmente os pavimentos de concreto.

1º dia

O seminário “Cidades Cicláveis” reuniu cerca de 100 pessoas, que puderam assistir a temas e debates conduzidos por organizações dedicadas à questão, como o projeto “Bike Anjo” – no qual ciclistas mais experientes “ensinam” gratuitamente novos interessados a circular com segurança pelas ruas das cidades brasileiras –, até iniciativas de sucesso consolidado, como o bicicletário de Mauá, promovido pela Ascobike, que desde 2001 auxilia diariamente milhares de ciclistas a garantirem um espaço seguro e confortável para estacionar sua bicicleta, aliando serviços como oficina, banheiros e até um espaço com água, café e chá gratuitos para os usuários.

O evento procurou ampliar o debate sobre as alternativas para integrar as bicicletas ao cotidiano dos grandes centros urbanos, a começar pelo estacionamento, no qual um serviço de “Bike Vallet” foi especialmente montado para que os participantes pudessem guardar suas bicicletas gratuitamente com conforto e segurança, durante o evento.

Estavam presentes também organizações como o projeto Mobilize, o primeiro portal brasileiro de conteúdo exclusivo sobre Mobilidade Urbana Sustentável; a Ciclomídia, uma empresa de mídia alternativa que tem nas bicicletas e nos seus usuários a inspiração para seus produtos e serviços; e também o projeto Cidades para Pessoas, da jornalista Natália Garcia, que promove iniciativas emblemáticas de uso dos espaços públicos planejados pelo urbanista Jan Gehl.

Empresas da área de desenvolvimento de sistemas cicloviários e modos ecológicos suaves de transporte também estiveram no evento, como a TC Urbes, representada pelo arquiteto urbanista Ricardo Corrêa; o projeto Carbono Zero Courier, que presta serviços de entregas expressas utilizando somente bicicletas; e a Green Mobility, especializada no desenvolvimento de mecanismos para melhorar a mobilidade sustentável de empresas e governos, completaram a seleção de palestrantes da noite.

Oficina Cidades Cicláveis

O 2º dia do evento foi marcado por muito debate e movimento. Quinze pessoas – a maioria arquitetos e principalmente pessoas que não estão habituadas a pedalar –,  saíram a campo de bicicleta para analisar a ciclovia de Moema. Após o circuito, voltaram à Oca para debater os erros e acertos desta via, e também para aprender a desenvolver planos cicloviários.

O papel da ABCP

A Associação sempre esteve comprometida com questões da qualidade de vida urbana. Uma das provas é seu projeto Soluções para Cidades, que reúne diversas soluções e sistemas construtivos à base de cimento que auxiliam os municípios nas questões da mobilidade urbana. E dessas questões é crescente a tratativa e abordagem da presença dos meios de transporte não motorizados como as bicicletas. Assim, a ABCP pode ajudar para que os sistemas viários para bicicletas sejam adequados e duradouros, além de posicionar a entidade junto a um tema atual e contínuo.