A ABNT recebe recursos públicos para a elaboração de Normas Técnicas, seja sob a forma de auxílio/subsídio, seja sob a forma de contribuição?

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail

Atualmente (2017), a ABNT não recebe recursos públicos do Governo Federal para suporte do processo de elaboração das Normas Técnicas e para a participação nos Foros Internacionais de Normalização, colocando em risco a inclusão do Brasil no mercado global. Os Associados distribuídos em várias categorias da iniciativa privada aportam em média R$ 3 milhões/ano, o que é insuficiente para a manutenção da normalização brasileira, pois o processo de elaboração das normas é custoso por envolver muitas horas técnicas de normalizadores, que precisam acompanhar os trabalhos dos especialistas de modo a permitir que seus conhecimentos possam ser incorporados adequadamente ao texto de uma Norma Técnica Brasileira.

Considerando que os valores a serem pagos aos Organismos de Normalização Internacionais (ISO e IEC) também estão inclusos no custo da Normalização brasileira, podemos dizer que aproximadamente 60% das despesas da ABNT são referentes aos custos do processo, supervisão, publicação, treinamento, divulgação e patrimônio da normalização. Por isso é importante que a receita com a venda de normas seja mantida, para permitir e promover o desenvolvimento da normalização no Brasil. (Ricardo Fragoso, diretor geral da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT)